Blog

SEU NEGÓCIO PERDEU PARA O VÍRUS?

SEU NEGÓCIO PERDEU PARA O VÍRUS?

     A história comprova que a riqueza e a fortuna são cíclicos e se assemelham as ondas do mar.  Tanto as ondas imponentes quanto as pequenas e insignificantes, quebram na areia da praia. O movimento do mar e da vida são dinâmicos, assim também a riqueza e a fortuna.

     Na pandemia, assistimos perplexos grandes impérios quebrarem e serem arrastados para a areia da praia. Por outro lado, alguns empreendedores, apesar das dificuldades, seguem se arriscando, tentando crescer.

     Encontramos profissionais no primeiro degrau da escada, preparando a subida, enquanto outros seguem caindo em queda livre, do mais alto degrau.

     Neste cenário de extremos, verificamos que determinados modelos de negócios, cresceram com a pandemia, outros, por sua vez, estão proibidos de existir. É muita ingratidão com o ser humano que vê no trabalho seu oficio mais nobre. Sim, o trabalho tornou-se um vilão na tentativa de proteger as pessoas contra o vírus invisível.

  • Como aceitar que seu negócio perdeu para um vírus?
  • Como encontrar forças para admitir que acabou já que o seu setor proíbe aglomerações?
  • Como não surtar quando a onda está jogando tantas pessoas competentes para areia da praia?
  • Como não se sentir excluído, quando o seu talento e sua profissão, são uma ameaça para disseminar o vírus?
  • Como encontrar forças quando a fortuna chamada trabalho é convidado a ficar em casa?  

     A pandemia está deixando a areia da praia tomada de sonhos fracassados. São fragmentos de pele rasgados pela amargura e inconformismo. Pedaços de gerações e também, pedaços individuais. Nomes de empresas imponentes, empreendedores audaciosos e trabalhadores guerreiros. São fragmentos de dor individual impossível de ser codificada.

     Não haverá vacina que possa reintegrar o que foi destruído e que jaz na areia da praia.

     Ondas trabalham incessantemente, escancarando ao mundo a falência e o fim de muitas certezas.

     Tempos difíceis, solitários e de incertezas. Sugiro a empatia com o próximo para amenizar o coração deles. Muitos não demonstram, mas rastejam de desesperança.

     Sejamos solidários.

     Paremos de falar de nós e, motivemos aqueles que hora vivem na areia da praia, a contarem e desabafarem sua história.

Texto: Irlei Hammes Wiesel

 

 


Newsletter

Receba novidades da palestrante Irlei Wiesel em seu e-mail

© 2015. Irlei Wiesel. Todos os direitos reservados.